Publicado por: Caio Gondim | 16 agosto 2008

Trilha Serrambi

Trilha realizada pelo Venture Bikers entre Serrambi e Maracaípe, Pernambuco.

Tr VB 16082008 001

Fomos para Serrambi na sexta anterior ao dia da trilha, já que tínhamos um local para dormir, apesar de o lugar ser pequeno e apertado para nós, num total de onze pessoas. Nos dividimos em “luluzinhas” e “bolinhas” em dois quartos bastante apertados. Só o Márcio e a esposa Juliete, mais a neném, ficaram em um quarto a parte. Mas, tudo bem, o “aperto” nas acomodações foi compensado com uma macarronada com salsicha, típica dos aventureiros, depois de trocamos pedais, desmontarmos e remontarmos pneus, substituirmos câmaras, ajustarmos freios e câmbios de várias bicicletas, “fechamos a oficina” e fomos dormir às 3 horas da madrugada.

TrVB 16082008 009TrVB 16082008 025

Acordamos cedo, tomamos café e começamos a nos aprontar quando tocou o telefone, era o Rômulo junto com o Alan, Rodrigo, Fernando Benevides, Tércio e Francisco haviam chegado ao posto onde marcamos para nos encontrar em Serrambi. Chegando lá, logo se juntaram a nós o Eli, o Rafael, Tio Gominho, Malagueta, Richardo e seu filho Ricardo, além do Sérgio e sua esposa. Seguimos para a casa e nos juntamos ao restante do grupo.

Todos prontos, saímos às 9h 20min, pois éramos muitos e os ajustes se faziam necessários. Decidimos ir pela praia já que a maré estava baixando e teríamos que passar por um rio. Ao longo do caminho, transpomos várias barreiras de blocos de pedras, sendo que a maioria tinha rampas ou escadas e umas poucas era preciso “escalar”, mas sem maiores esforços. Aliás, em uma dessas rampas eu disse para Rafael que ele não fosse “frouxo” e encarasse a rampa e a escadaria do outro lado, detalhe é que a rampa era bem inclinada e os degraus do outro lado tinham espelho muito alto, mesmo assim, não é que o maluco subiu a rampa e desceu os degraus batendo e tombando de um lado pro outro sem cair, chegando montado e inteiro ao final?

Doidos à parte, seguimos até o rio, o qual nós atravessamos em três jangadas e na maior festa e gozação. Alguns diziam que a nossa jangada não chegaria ao outro lado, pois os “gordinhos” estavam nela e logo na saída ficamos presos num banco de areia. Apesar da “torcida”, conseguimos chegar do outro lado com rapidez segurança. Seguimos pela orla de Maracaípe e paramos num bar na beira da praia para nos hidratarmos já que dali em diante, local para isso seria raro ou inexistente. Tomamos água, refrigerantes, e alguns um caldinho com direito a demonstração de como “degustar” uma caninha.

Saindo da praia, seguimos por uma estrada de terra até a entrada da trilha em um single, passando em seguida no meio de um canavial e logo depois uma estradinha de terra, bem sinuosa e com uma belíssima vista do lago que se forma com a maré, à nossa direita, onde podíamos ver do outro lado o acesso a Porto de Galinhas e alguns de seus hotéis. Nessa mesma estradinha, logo depois de passar uma pequena ponte de troncos, o nosso calouro Alan conseguiu, do alto de sua perícia, enfiar sua bike num poço de lama, afundando por completo toda a sua roda dianteira.

Nesse ponto, contávamos com 9 km rodados e já tinha gente pedindo pra voltar, pensando que tínhamos rodado muito, quando só tínhamos feito 1/3 do roteiro, até ali sem grandes dificuldades. Aproveitei para avisar que adiante subiríamos duas ladeiras e logo veio a primeira, ao chegarmos numa fazenda e depois a segunda, a qual, com certa habilidade, muitos subiram sem problemas e como nós tínhamos sete calouros nessa trilha, sentíamos a insegurança de alguns novatos que sempre perguntavam sobre as dificuldades e a quilometragem, o que é normal.

Continuamos por entre canaviais em estradões com generosos atoleiros e muita lama, tudo vencido com muita diversão ate chegarmos a um single em meio a pés de Mangaba, onde alguns “desatentos” não perceberam que o guia parou e seguiram direto e não parando em uma bifurcação, foram mangue adentro! Depois de um leve descanso, seguimos pela mata até o início da subida para o morro do Outeiro. Iniciamos a subida e no meio dela encontramos um trecho mais inclinado e escorregadio, o qual deu um pouco de trabalho, mas todos subiram e foram presenteados com uma vista maravilhosa em 360º de toda a região, junto à igrejinha. Descansamos mais um pouco e descemos por um single bem travado no seu início, mas com muita adrenalina nos 50 metros finais, tanto que alguns ciclistas se dispuseram a subir novamente empurrando as bikes, para descerem novamente com muita ADRENALINA!!!

Entramos outra vez na mata por singles sinuosos, cobertos por uma arborização muito bonita e forrados por folhagem, formando quase que “túneis” perfeitos. Depois vieram coqueirais, manguezais e finalmente asfalto por dois quilômetros, até a nossa casa em Serrrambi, onde um delicioso churrasco nos esperava.

Mais uma vez, valeu a trilha e os companheiros, foi só divertimento e todos chegaram bem!

Valeu galera, até a próxima!

Fernando Dornelas

DADOS TÉCNICOS:

Percurso – 29,61 Km

Média de velocidade – 10,6 Km/h

Velocidade Max. – 32,6 Km/h

Tempo pedalado – 2’46”21

Tempo total – 5’16”21

 

Trilha em Serrambi – Ipojuca/PE

 

venturebikers@gmail.com

vb_marca_original

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: