Publicado por: Caio Gondim | 6 setembro 2008

Trilha Sítio dos Pintos – Aldeia

Trilha realizada pelo Venture Bikers entre Recife e Camaragibe/PE – em 06/06/2008.

Tr VB 06092008 001

Por Lula Moura

Enfim, uma trilha com sol…

A festa da independência do Brasil, no dia sete de setembro, é sempre associada à abertura do verão no país. Nos últimos anos, porém, as comemorações vêem sido atrapalhadas pelas chuvas residuais de inverno.

Paradoxalmente ou não, esse foi o provável motivo das manifestações na lista de discussão de nosso grupo de trilhas, o Venture Bikers. Quando o nosso guia, Fernando Dornelas, marcou a trilha de final de semana já estávamos sem chuva a quase sete dias.

Foi a trilha ser marcada para o sábado, que na sexta já começaram as chuvas, gerando um monte de e-mails comentando sobre o magnetismo pluviométrico de nosso amigo, cujos dotes aquáticos já são conhecidos e frequentemente comentados neste blog. Dotes estes que nos levou inclusive a instalarmos uma comissão interna no grupo, para estudarmos através de sua arvore genealógica o grau de parentesco com o Aquaman, ou quem sabe, com algum ascendente astrológico no signo de peixes ou aquário.

Mas desta vez, após quase seis meses, acordamos no sábado e não havia sinais de chuva. Chegamos ao ponto de encontro no Restaurante Talude às 7h, e já estavam todos se preparando. Assim, junto com Rebeca, completei o grupo de 16 pedaleiros que iriam enfrentar as diversas subidas da região do distrito de Aldeia.

Partimos às 7h 25 min com o objetivo de chegamos a um pesque-pague próximo a fonte de água mineral Santa Joana, conhecido pelos grupos de trilha como o Banho do Negão.

A região de Aldeia é belíssima, apesar de bastante habitada devido à proximidade de Recife, tem uma mata atlântica presente e locais ainda pouco visitados, trazendo aos aventureiros que cortam as suas trilhas, belas imagens de locais fantásticos e muito agradáveis.

As diversas estradas que levam a região são freqüentemente cobertas por árvores e rodeadas de verde, comprovando ao nosso grupo toda sua beleza. Seria uma trilha ideal para iniciantes pelas facilidades de acesso e pela farta natureza presente, se não fossem as subidas.

Foram subidas diversas. O perfil do GPS mostrou elevações que variavam até cem metros de nosso ponto de partida ao ponto mais alto, exigindo dos aventureiros muito esforço para subir no pedal e até mesmo para subir empurrando as suas bikes.

Mas como nas trilhas o céu não é o limite, temos que descer. E ai sim, nas descidas todos os esforços das subidas eram esquecidos rapidamente. Tiveram algumas em que “soltamos” tudo, o meu ciclo computador registrou 46 km/h numa descida fantástica. Adrenalina pura!

E assim foi, subindo e descendo, procurando caminhos, indo e voltando, que chegamos ao Banho do Negão às 11h 10 min. Um local muito agradável, que confesso, pensei ser apenas uma espécie de açude, cachoeira ou coisa parecida. Mas quando vi, fiquei surpreendido. Um ponto bem estruturado, com locais para refeição e confraternização de famílias.

Passamos pouco mais de uma hora apreciando o local e recompondo as energias para a volta, que conforme acordado, deveria ser pelo caminho mais curto, pois o calor e as subidas pareciam já ter consumido bastante a energia do grupo.

E pondo em prática o desejo da turma, o nosso guia Dornelas tratou logo de mostrar suas habilidades na geometria analítica, aquela matéria que diz que a menor distancia entre dois pontos é uma reta, e nos levou para atravessar uma cerca e subir um morro para cruzá-lo, que segundo ele, nos daria uma grande vantagem de percurso.

Para mim ficou claro que a geometria analítica não deve ser aplica em trilhas, pois cheguei a conclusão que neste caso, o menor distância entre dois pontos é o caminho que a gente conhece. Para começar, olhem ao lado o resultado da subida.

Quando chegamos sentimos logo o tipo de caminho que havia para cortamos, melhor, o tipo de caminho que não havia para cortamos. Era uma pequena trilha que foi se acabando até nos levar para uma mata fechada, nos fazendo sentir literalmente na pele toda situação. Eram urtigas e tiriricas que não acabavam mais. Fiquei com pena de quem não estava com calças e camisas compridas.

Finalmente encontramos a saída descendo o morro. E após muitos aranhões e queimaduras, brincadeiras e risadas, voltamos novamente para a estrada de barro, que nos levaria a conhecida e última subida, a ladeira do sabão, dando acesso a um estradão para levar-nos a BR 101 e finalmente ao Restaurante Talude, nosso ponto de partida.

Finalizamos nossa aventura por volta das 15h 40 min, com 42,3 km percorridos, muita satisfação e milhares de belas lembranças de uma grande aventura de início de verão.

Veja também: http://blog.azimuteaventuras.com.br

Trilha Sítio dos Pintos-Aldeia – Recife – Camaragibe/PE

 

venturebikers@gmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: